As dívidas podem tirar o sono de muita gente, especialmente de quem tem família e filhos. Pior ainda é quando tentamos achar uma solução e, no fim das contas, só acumulamos ainda mais dívidas.

Uma maneira muito comum de se colocar em um problema como esse é entrando no rotativo do cartão de crédito. Os juros são muito elevados e sempre que você tenta pagar o valor total, percebe que ele está muito maior e não consegue. Tudo se transforma na conhecida “bola de neve”.

Mas não estou aqui para falar do problema, mas sim da solução ou, melhor dizendo, de 5 soluções que o ajudarão a sair dessa situação e acabar com as dívidas o mais rápido possível. Veja quais são!

Passo 1: identifique quais são as suas dívidas

Você já sabe que está endividado, mas, para se livrar desse problema, é preciso saber quais são essas dívidas. Quem você está devendo? Qual é o tamanho dessa dívida no total? Tem juros? Quanto?

Saber o valor total da sua dívida ajuda-o a identificar o tamanho do problema no qual se meteu. Liste também aquelas dívidas que possuem imóvel ou carro como garantia, pois você corre o risco de perder os seus bens.

Passo 2: faça uma lista das suas dívidas

Agora que você já identificou quais são as suas dívidas e para quem elas devem ser pagas, é preciso organizar essas informações.

É interessante que você faça uma lista. Ela pode ser eletrônica, numa planilha, por exemplo, ou pode ser do modo tradicional, usando papel e caneta. Escolha o método que achar melhor.

Por exemplo, coloque, ao lado do valor da dívida, para quem essa dívida deve ser paga. Você pode colocar “devo R$ 2 mil para o cartão de crédito da empresa X”. Além disso, coloque a data na qual essa dívida foi anotada, afinal de contas, o valor crescerá por causa do juros. E, falando nele, anote, ao lado da dívida, os juros e os encargos, o CET (Custo Efetivo Total).

Passo 3: identifique a causa da dívida

Durante as suas anotações, procure entender também como e porque aquela dívida se formou. Qual a causa da sua dívida? O que fez você ficar endividado?

Uma forma muito fácil de ver isso, por exemplo, é na fatura do cartão de crédito. Analise-a com cuidado e veja quais foram os seus gastos dentro de um determinado período.

Passo 4: faça um diagnóstico

Esse é um dos passos mais importantes, pois é aqui que você descobre qual é a raiz do seu problema financeiro e pode iniciar a solução do problema. É o mesmo que acontece, por exemplo, no consultório médico: depois de fechar um diagnóstico, ele começa o tratamento.

Para isso, é interessante detalhar cada uma das suas contas mensais, separando as despesas fixas das despesas variáveis.

Além disso, você deve passar 1 mês anotando os seus gastos todos os dias. Para isso, existe uma série de aplicativos, tornando essa tarefa mais prática. Essa é uma maneira de identificar alguns gastos que podem ser eliminados do seu dia a dia, fazendo sobrar mais dinheiro para pagar as dívidas.

Passo 5: renegocie a dívida

Esse é um momento muito importante, pois você precisa encontrar a melhor solução para o problema, com a menor taxa de juros possível. Não tenha medo de expor a sua situação. O credor, acima de qualquer coisa, quer receber o valor da dívida, então ele pode encontrar uma forma de pagamento que fique melhor para você.

É importante que, antes de ir até o credor, você já saiba qual valor máximo que pode pagar por mês sem comprometer a sua vida financeira.

Uma dica importante: comece pagando a dívida que mais vai impactar a sua qualidade de vida, como a conta de energia, por exemplo. Depois veja se possui bens em garantia e logo após as dívidas que possuem o CET maior.

Quer ajuda para acabar com as dívidas? Então, inscreva-se no meu curso Dívidas Nunca Mais!