Você mesmo já deve ter dito “o dinheiro corre de mim”. Mas será que é isso mesmo ou é o contrário? Afinal de contas, o dinheiro não tem pernas não é mesmo? Talvez, inconscientemente, você esteja mantendo o dinheiro longe da sua vida. 

Esse pode ser um problema mais de autoconhecimento do que necessariamente de falta de dinheiro. Por isso, se o dinheiro “corre” de você, é bom fazer uma reflexão e rever alguns conceitos e crenças na sua mente. Vamos lá!

O que o dinheiro representa para você?

O dinheiro é algo bom para você é algo ruim? Você acha que dinheiro não traz felicidade? A maioria das pessoas apresenta um certo problema com o dinheiro nesse sentido. Pra ela, frases como “o dinheiro é a raiz de todo mal” faz todo o sentido. Então, para que ela vai querer dinheiro se ele está relacionado a coisas ruins? 

E aí é que vem a contradição. Se você perguntar para essa mesma pessoa se ela quer ser rica, se ela quer comprar um carro, comprar uma casa, fazer uma viagem incrível, ela vai dizer que sim. 

Entendendo como o cérebro funciona

Para saber como se relacionar melhor com dinheiro, precisamos entender um funcionamento simples do nosso cérebro. Ele trabalha de duas formas: ou ele busca evitar a dor ou ele busca o prazer, o imediato principalmente. 

Pessoas que tentam fazer uma reserva financeira e não conseguem, são aquelas que se deixam levar pela necessidade de prazer imediato do cérebro. São pessoas que ganham bem, mas que gastam tudo o que ganham. Ou então, elas até conseguem guardar algum dinheiro, mas em pouco tempo, pegam o dinheiro da reserva e gastam sem ficar com R$ 1. 

Aí, logo em seguida vem o sentimento de frustração por não ter conseguido manter o dinheiro guardado e gastado tudo. Ou, no caso de quem não consegue guardar nada, a frustração acontece justamente por isso: mais um mês se passou e já gastou tudo o que ganhou.

Associe o dinheiro a algo bom

A frase “a vida é pagar boletos” lhe é familiar? Se sim, está na hora de modificar esse tipo de pensamento. Afinal de contas, isso é algo ruim e o seu cérebro vai mandar esse dinheiro para bem longe. Como? Fazendo você agir de formas autossabotadoras. E o que fazer? Associe o seu dinheiro a algo bom.

Por exemplo, o dinheiro vai permitir que você e sua família faça aquela viagem dos sonhos ou então, que no futuro, você possa trabalhar um pouco menos, pois uma parte dos seus rendimentos vem do investimento que fez com o dinheiro hoje. 

Vamos dizer que você está com planos de sair da casa dos pais e ter o seu próprio cantinho, afinal de contas, ter privacidade é muito importante. Pense em como o dinheiro pode fazer você alcançar esse objetivo, como ele pode te proporcionar esse prazer. Mas pense que é um prazer no longo prazo, portanto, não se deixe levar pelo prazer momentâneo. Poupe hoje para conseguir algo melhor mais tarde.

Você quer ser rico? Além de mudar a sua relação com o dinheiro, também é necessário modificar alguns hábitos. Veja o vídeo no qual explico os 5 hábitos de quem nunca ficará rico!